sexta-feira, 2 de março de 2012

SAKE


Bom deixo bem claro aqui que... não sou alcólatra e nem apreciador... bebo socialmente... se tiver pra beber beleza se não tiver não vou morrer por isso, também não estou influênciando ninguém a sair bebendo por aí e virar um Chin Gentsai ou Haomaru na vida... só acho que as vezes fazemos... bebemos e comemos coisas e nem sabemos a cultura daquilo então achei legal colocar aqui um pouco do sake.

Vamos lá o que diz o Wikipédia rsrs...




Saquê (português brasileiro) ou saqué (português europeu) (em japonês, sake, também, osake ou nihonshu) é uma bebida fermentada tradicional do Japão, fabricada pela fermentação do arroz; tomada geralmente quente e em grandes comemorações, como Ano Novo e cerimônias xintoístas de casamento.

A primeira produção de saquê de que se tem notícia data do século III e ocorreu em Nara, antiga capital japonesa. Diversas regiões do país o produzem, mas a região que leva a fama de fabricar o melhor saquê é o distrito de Fushimi, em Kyoto. Existem hoje em torno de 1.600 fabricantes de saquê no Japão. No Brasil, a bebida é produzida por empresas como a Sakura e a Azuma Kirin (Tomei e ainda tomo muito dele rsrs). Grande variedade de saquês brasileiros e japoneses podem ser encontrados em lojas no bairro da Liberdade, em São Paulo.




COMO É FEITO?

Classificado na mesma categoria do vinho, o saquê é um fermentado natural, com teor alcoólico em torno de 16%, cujos únicos ingredientes são arroz e água. Do arroz sai a matéria prima para a fabricação do saquê, o koji, que resulta da remoção do amido e do excesso de óleo e proteínas contidos no arroz. Para se chegar ao koji, é preciso que o arroz seja polido, de modo a perder de um terço até a metade de sua superfície original, sendo depois macerado, enxugado, vaporizado e resfriado a uma temperatura de 5º C.
Em sequência, o koji é misturado com água e arroz vaporizado para que se forme o shubo, uma pasta de grãos. O shubo é colocado num tanque e fermentado por trinta dias, com adição do koji e novamente de arroz vaporizado. Forma-se aí o maromi, uma mistura de bolo de saquê, sólido, e do saquê, líquido. Feita a separação por filtragem e submetido o líquido a uma ultrafiltragem, para garantir o sabor fresco da bebida, o saquê está pronto para ser consumido. Poderá ser mantido em garrafa por até dois anos, sem perder seu sabor natural.

COMO SABOREÁ-LO?

A melhor temperatura para o saquê ser consumido é de 35º C, porque nesta temperatura se percebe melhor as delicadas características da bebida. Mas pode ser bebido em temperaturas superiores ou inferiores, de acordo com a estação do ano. Quando aquecido, a uma temperatura de até 45º C, o saquê é conhecido por kan . Torna-se encorpado e adquire um sabor acentuado de melão.Quando resfriado, o saquê é conhecido por higa e assume um sabor frutado. Ao ser servido é acrescentado sal às bordas do copo. É geralmente servido em copos de porcelana antiga ou em pequenos copos de madeira, conhecidos por masu.

Olhando assim parecem até garrafas de Elixir XD

Bom pensava antes também que só havia 1 tipo de sake mas... pesquisando um pouco aqui outro ali descobri que há mais de um tipo que são:

Junmai-shu – É o sake mais puro, com arroz, água e koji, e que não sofre acréscimo de álcool. O arroz é “polido” de forma que perde a parte externa, conservando menos de 70% do seu volume original.

Honjozo-shu – Tem pequena quantidade de álcool etílico destilado, o que melhora o sabor, tornando o sake mais suave. O arroz recebe o mesmo tratamento de Junmai-shu.

Ginjo-shu – O arroz é “polido” para conservar apenas 60% do seu formato original. Isso diminui a gordura e as proteínas. Além disso, esse sake é fermentado a uma temperatura baixa por muito tempo.

Daiginjo-shu – Através do polimento, o arroz perde pelo menos 50% de seu volume original, chegando em alguns casos a perder até 65%. É um tipo de sake que exige muito trabalho em cada nível do processo.

Namazake – É o sake que não é pasteurizado, e deve ser guardado na geladeira.

Nigori-zake – Não é filtrado e tem aspecto leitoso, resultante da adição ou preservação de partículas de arroz ou koji por meio de filtragem rústica. De sabor pesado, é servido após as refeições.

Há também duas variedades que são karakuchizake (sake seco) e o amakuchizake (sake doce).

Mas mesmo fora do Wikipédia tem outras versãoes sobre a história do sake como os registros que indicam o sake nasceu na China, há cerca de 7.000 anos e popularizou-se no Japão, tornando-se a sua bebida nacional. A história de como iniciou no Japão não é clara e as referências indicam um período entre o século III e VIII. Sabe-se que um marco na produção do sake foi a instalação do departamento de cervejaria no Palácio Imperial de Nara, então capital do país (710 a 792 d.C.), com a admissão de diversas pessoas encarregadas de produzir a bebida. Os produtores não conheciam técnicas apuradas de fermentação e o sake era feito com pouco álcool e água, em uma combinação que mais lembrava uma porção de mingau.

Nessa época, "comia-se" o sake dentro de uma tigela. Na verdade, tudo era o resultado de uma receita com pormenores um tanto repulsivos: mascava-se o arroz para fermentá lo com a saliva e depois cuspia-se em tachos para só então iniciar o preparo da bebida. Esse método era chamado de “kuchikami no sake”, ou sake mastigado na boca. Já na província de Hokkaido e em áreas rurais de Okinawa, os fãs da bebida encontraram maneiras de purificar esse processo, determinando que apenas as jovens mulheres virgens poderiam mastigar o arroz, pois elas eram consideradas representantes dos deuses aqui na Terra. A bebida produzida por elas foi batizada de "bijinshu", o sake de mulher bonita. Por incrível que pareça, essa prática sobreviveu até poucos séculos atrás, mesmo após a adoção de técnicas mais modernas de fermentação.

A LENDA

Existe também uma lenda de como foi criado o sake, a lenda que a fermentação da bebida foi descoberta por acaso: “Certo dia, um cidadão desleixado esqueceu de tampar um tacho de arroz que cozinhara e o arroz acabou mofando. Como ele era realmente desleixado, também se esqueceu de jogá lo fora e só depois de alguns dias notou que havia ocorrido uma fermentação: o arroz transformara-se em uma deliciosa iguaria, na verdade mais pastosa do que líquida. Da total falta de cuidado do cidadão, criou se um método de fermentação e os produtores descobriram que o fungo que mofara o arroz era o responsável pela transformação do amido em glicose e fermento. Logo, o fungo ganhou nome 'kamutachi' e não demorou muito para que os produtores divulgassem que a bebida era produzida pelos deuses. "


"Por entre as flores, uma garrafa de sake bebo sozinho, ninguém a me acompanhar." Assim começam os versos do poeta japonês Rihaku, que dizia beber uma garrafa de sake e escrever mil poemas. Beber sake é um ritual no país, e existem várias razões pelas quais a bebida é apreciada, que vão muito além do paladar, sede ou disposição para encher a cara. Segundo a tradição, bebe-se sake para eliminar as preocupações e prolongar a vida, e isto por si só, vale qualquer dose a mais. Pega até mal chamar de bêbado quem toma sake de forma exagerada e sai cambaleando de madrugada pelas ruas das cidades japonesas. "Inebriado" talvez fosse a designação correta, uma vez que os efeitos da bebida transformam os, geralmente reservados japoneses, em cantores, galanteadores e seresteiros ao luar nas noites nipônicas. No Japão, costuma-se dizer que o sake é o melhor companheiro na solidão.

Só não se pode tomá-lo em qualquer copo ou em qualquer ocasião. Bebe se em grandes comemorações, como no Ano Novo e nas cerimônias xintoístas de casamento, em encontros românticos, mas também na falta de um pretexto feliz ou por uma boa dor de cotovelo. Como beber sake no Japão é um ritual milenar e os excessos são justificados por milhares de anos de história, o modo mais simples de se desculpar por qualquer estrago provocado em uma noite etílica no Japão, é dizendo “Eu estava bebendo sake...” e o perdão é praticamente certo!

Nisso tudo concordo que as vezes realmente com essa correria toda de nossas vidas as vezes merecemos um tempo só para nós e com um bom sake para apreciarmos... ainda mais com os amigos...Ritual Existe um ritual especial à mesa para tomar o sake. Levante o seu copinho para receber a bebida, servida sempre por seu vizinho de mesa, apoiando-o com a mão esquerda e segurando-o com a direita. É imprescindível que você sirva o seu vizinho de mesa porque não é de bom tom servir a si próprio. O copo de sake deve sempre ficar cheio até o final da refeição. A tradição manda fazer um brinde, kampai, esvaziando o copinho num só gole. É sinal de hospitalidade e atenção.


A arte da degustação O sake tem uma infinidade de recipientes para ser tomado, conforme a região do país e a ocasião a ser celebrada. Só para expressar suas opiniões numa degustação de sake, os especialistas têm a disposição um vocabulário com mais de noventa palavras, em sua maioria desconhecidas do público.



Uma sessão de degustação de sake começa com uma regra fundamental: durante a reunião, só se pode falar em sake. As paredes da sala devem ser de cor creme claro e com janelas de face norte para aproveitar a luz natural do sol, no entanto, o sake não deve estar sob exposição direta do mesmo.
O horário de degustação sempre é entre às 10 e 11 horas da manhã, quando o sol ainda não está forte e os técnicos já fizeram a digestão do café e ainda não almoçaram. Não se degusta sake com estomâgo cheio. A bebida é servida em temperatura ambiente, cerca de 20ºC. O copo usado é de porcelana branca com dois círculos azuis no interior, denominado de olho-de-cobra. Os círculos coloridos servem para que os especialistas avaliem a transparência da bebida, enquanto o fundo branco é utilizado para observar a cor do sake.

O sake no Brasil Um provérbio japonês diz que "se conhece o sake que é bom apenas na manhã seguinte". A experiência confirma o ditado. "No início nós apanhamos muito por causa do clima", conta Toru Iwasaki, da Tozan, que produz sake nacional desde 1934. Segundo ele, o calor prejudica a fermentação do fungo koji, uma das bases do sake, deixando que bactérias invadam a bebida. "Antigamente, sem refrigeração, o pessoal reclamava da dor de cabeça no dia seguinte", lembra Iwasaki. Ele diz que a qualidade, além do clima, depende do polimento do arroz. Hoje, a bebida símbolo da cultura japonesa, que já foi restrita a lojas e restaurantes nipônicos, vem ganhando cada vez mais espaço no cardápio alcoólico do brasileiro.

Levou décadas, claro, para que o sake trazido por imigrantes em 1908 quebrasse a barreira cultural e invadisse os bares e restaurantes. Mas drinques como a "saquerinha" ou "caipisake" conquistam cada vez mais o público, especialmente o feminino — o Brasil está em quinto lugar no ranking de importação japonês e compra 40% a mais por ano, segundo a Fundação Japão. Nos bares e restaurantes, o sake é misturado com frutas, como lichia, carambola e tangerina. "Saqueritos" que se inspiram nos mojitos; bloody maries, martinis e daiquiris também floreiam os cardápios mais ousados.

Bem fica a dica ai também de alguns modos de preparo de sake:

Caipirinha de saquê com frutas vermelhas

Ingredientes. 2 framboesas frescas

. 2 cerejas frescas
. 2 morangos frescos
. 2 colheres (sopa) de açúcar
. 40 ml de saquê

Modo de preparo
1. Em um pilão, soque as frutas com o açúcar.

2. Transfira para um copo on the rocks, complete com o saquê, misture bem e sirva.

Preparo: até 15 minutos
Rendimento: 1 porção
Dificuldade: Fácil
Categoria: Bebidas
Calorias: 211 por porção

Sake com Kiwi

Ingredientes:
1 1/2 kiwi
1 colher de sopa de açúcar
2 colheres de gelo moído
1 dose de sakê (45 ml)

Modo de Preparo:

Corte o kiwi em pedaços e coloque na coqueteleira.
Coloque acúcar.
Adicione pedras de gelo.
Complete com sake.

Sirva

Caipirinha de Kiwi, limão siciliano, saquê e hortelã

Ingredientes:

2 copos de saquê
1 kiwi picado ou em rodelas finas
2 limões siciliano
1 colher de chá de raspas de limão siciliano
Folhas de hortelã para enfeitar
Gelo picado
3 colheres sopa de açúcar cristal

Modo de Preparo

Primeiramente pique o kiwi e reserve
Retire um pouco das raspas de limão e também o suco, reserve
Lave as folhas de hortelã e reserve
Pegue uma coqueteira ou algum copo longo e coloque o sakê, o açúcar, suco de limão e os kiwis picados, mexa bem
Na hora de servir acrescente as raspas de limão, gelo e 4 folhas de hortelã, misture e sirva em copos decorados com as folhas de hortelã e rodelas de limão.

Sake Sunrise

Ingredientes:

50 ml de saquê
25 ml de suco de laranja
25 ml de licor de kiwi
10 ml de grenadine (groselha americana)

Modo de preparo:

Bater em uma coqueteleira o licor de kiwi, o suco de laranja, gelo e o saquê.
Colocar em um copo longo e acrescentar o grenadine por cima.
Decorar com uma rodela de kiwi.

Esses dois já seriam pros Profissionais ou bartenders mas num custa tenta faze quem conseguir me fala se fico bom XD

Ushi no Shot (Tiro do Touro)

Ingredientes

30 ml de sake
15 ml de consommé (caldo de carne)
1 lance de Cognac
10 ml de suco de limão

Modo de preparo

Preparar diretamente em um copo pequeno de porcelana. Temperar com sal e gotas de pimenta tabasco.

Servir quente ou em temperatura ambiente.

Fuyu Sake (Saquê de Inverno)



Ingredientes
30 ml de sake
15 ml de Chai Syrup (Monin)
Gengibre em fatias Cravo Limão siciliano

Modo de preparo

Junte os insumos de 1 a 4 em um bule. Aqueça no vaporizador. Sirva quente em um copo com haste ou em uma caneca de porcelana. Para finalizar, acrescente gotas de limão siciliano.

Bom espero que tenham gostado e aprendido que sake não é só para encher a cara, ficar vermelho e falar bobeira pra depois colocar a culpa no coitado XD

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Otakus, Nerds, Gamers e Geeks online no momento...